14 de julho de 2011

Asas, e não abismos.

Que estranha escolha é essa que faz a gente alimentar os abismos quando mais precisa valorizar as próprias asas.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por comentar (: