19 de fevereiro de 2013

A oração que me faltou fazer.

Pai, está é a oração que me faltou fazer, eu tive medo do Senhor achar que era tolice minha, pois eu mesma me acho tão tola dizendo o que vou lhe dizer. 
Pai, existe horas em que eu me sinto perdida, sozinha, cansada. Porém, existem horas que me sinto forte por suportar tudo e horas em que me dá vontade de ser fraca para simplesmente não suportar.
Pai, se existe uma hora certa de parar diga-me, se existe alguma saída mostra-me e se existe mais milhas e milhas para andar carrega-me.
Pai, minha oração não precisa ser bonita, ela precisa ser sincera, ela precisa ser clara, ela precisa ser meu coração. Se em algum momento eu duvidei que me ouviste me perdoe, mas estamos acostumadas a nunca ninguém nos ouvir totalmente, são tantos problemas que ás vezes ninguém tem tempo para ninguém, e assim ninguém ouve ninguém, ninguém ajuda ninguém. Te comparar conosco é querer comparar o perfeito com o imperfeito, mas Pai, ás vezes precisamos do abraço que não temos e que pedimos e não recebemos, estamos acostumados a não confiar em ninguém por completo e a retribuir somente quando se é retribuído, somos o nosso próprio caos ao invés de sermos um o abrigo do outro. 
Pai, ser pequena não diminui o tamanho da minha responsabilidade, vi coisas que eu não queria ter visto e ouvi coisas que não merecia, enfim Deus, nem tudo é perfeitamente como queremos, mas quero lhe pedir para ser a estrutura que eu não tenho, o exemplo que eu não tive e o amor que eu não senti.

2 comentários:

  1. Vengo del blog de Celia Maria de Sousa Arruda Jacobino y me ha encantado tu Rincón, por lo cual, si no te importa, me gustaría ser seguidor de tan bello Espacio, que es el Tuyo.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Obrigada Pedro! Será um prazer tê-lo aqui, volte sempre que precisar de um carinho das palavras.

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar (: